sábado, 29 de setembro de 2012

E fez-se a luz!

Hoje, 29 de setembro, se tornou um dia histórico na minha vida familiar!
Completamos exatamente um mês de Família Fly! RSRSRS
Pode parecer bobeira, mas de verdade, mudou nossas vidas! E resolvi, depois de um mês, compartilhar algumas dicas bem úteis e práticas, que podem ser aplicadas em qualquer lar!
Bem, comecei com o básico. A primeira dica do grupo é deixar a pia brilhando, a da cozinha e a do banheiro. Simples e que faz uma baita diferença. Aqui lavo a louça em três momentos apenas: Café da manhã, almoço e jantar. No restante do dia, só lavo se inventar alguma coisa que junte louça, senão deixo para lavar tudo de uma vez.
Depois, estabeleci uma rotina para o período da manhã. Essa rotina é sagrada, até porque o dia transcorre mais tranquilamente se resolver essas coisinhas cedo! Eu levanto, arrumo a cama, troco a roupa, troco as meninas, arrumo a cama delas e venho tomar café e dar café para elas. Nessa sequencia! Assim, ganho um tempo enorme, caso precise fazer algo fora do planejamento como ir até a rua (já estou trocada e elas também!). Depois lavo a louça (tarefa que não demora mais de 10 minutos), reservo 15 minutos (cronometrados no timer) para guardar TUDO que está fora do lugar em seu lugar, espano o pó, passo aspirador e limpo o vaso sanitário. Pronto, a casa está limpinha e prontinha para receber visitas!
Outra super dica, faca listas de TUDO! De compras, tarefas diárias, tarefas semanais... TUDO! Pose não parecer, mas é pior um papel escrito por você te encarando na sua geladeira ou no seu painel do que alguém te cobrando alguma tarefa que você vai esquecer! No papel você anota tudo e vai riscando à medida que vai concluindo cada tarefa! Dá uma satisfação riscar as tarefas cumpridas! Eu fiz algumas listas que acompanho diariamente: faço lista de compras e só vou ao mercado com ela, lista de limpeza diária para conferir se fiz tudo o que tenho que fazer todos os dias, limpeza semanal, limpeza mensal e limpeza sazonal. Faço minhas listas no domingo e já defino uma data para executar a tarefa. É uma cobrança que funciona muito bem!
E, por fim, defini um mantra que aprendi no grupo: "Não queira arrumar, limpar e organizar tudo na sua vida de uma vez, ela não se tornou um caos de um dia para o outro!". Por isso, diariamente executo alguma tarefa mais pesada e que protelei ao máximo nos últimos tempos! Por exemplo: Limpei todos os armários e gavetas da cozinha, lavei as janelas do apartamento todo, joguei e doei muitas coisas que não tinham lugar (o que não tem lugar é entulho!)... Enfim, defini metas e as segui!
Não, não é fácil, exige força de vontade e muita dedicação! Eu aprendi a focar minha vida, foco é tudo! E, hoje, parece que tudo está fluindo! Tarefas chatas que eu odiava, acabei incorporando na minha rotina e não durmo sem elas!

É isso! Boa sorte para você que vai iniciar o mundo fly! Ele funcionou comigo, por isso acredito que irá funcionar com todos!

Beijos

domingo, 23 de setembro de 2012

Das lutas solitárias pelos filhos...

Ai, ai... Momento reflexão...

Como é IMPOSSÍVEL seguir o que acreditamos nesse mundo. E vou contar, dói! Dor física mesmo, você ver um filho seguindo o curso da massa, sem pensar, simplesmente porque todo mundo faz/pensa assim.
O pior é sem suporte nenhum, sozinha, argumentando e se sentindo a "mãe de merda", que por desejar que o filho seja questionador, se auto-observe desde pequeno para, no futuro ter consciência de suas escolhas, acaba tendo que tomar atitudes/decisões que o ferem.
E, hoje, fiquei pensando na merda do consumismo. Na merda do valor estético. Na merda do mundo mesmo. Uma criança de seis anos que acredita que PRECISA combinar roupas, calçados, presilhas... Que mundo é esse? 
Posso fechar minhas crias na minha bolha? Porque juro, dói isso. Ouvir esses argumentos da minha filha. Principalmente, porque eu defendo que criança e consumo não combinam e não deveriam nem se conhecer, por acreditar que a sociedade que deveria proteger está transformando minha filha em mais uma consumidora compulsiva. Que estará individada antes de receber o primeiro salário, que vai gastar mais do que ganha.
E, aí entra a "mãe de merda", porque mesmo explicando, argumentando contra essa compulsão, argumentando contra esses valores deturpados, falsos, não tenho força diante da força do consumo. Que coisa triste, não? A voz de uma mãe não tem nenhum valor ou força, mas os apelos consumistas agem como lavagem cerebral, com poucas palavras ou imagens fazem a criança acreditar que ela será pior que as outras se não tiver, comprar, combinar, comer...
E, aí, hoje passei o dia mal. Me sentindo hipócrita.
Essa semana uma das lições de casa era "O que é sustentabilidade?". Difícil definir, mas usei alguns exemplos, o das fraldas biodegradáveis que compramos, o uso e reuso de roupas e calçados por elas e pela prima, o fato de cuidarmos da nossa casa. E, expliquei que ter o que precisamos é sustentabilidade, mais que isso é exagero e gasto desnecessário. E...
Que teoria linda! Mas, infelizmente, não podemos colocar em prática! A sociedade, a mídia, o consumo, a escola, quem deveria proteger a infância, não permite! Porque julga uma criança de SEIS ANOS por não seguir esse ou aquele apelo consumista.

"O que está acontecendo? O mundo está ao contrário e ninguém reparou?". 

Conversei muito com a Dani, expliquei muita coisa para ela. Ela chorou muito, ficou muito triste.
E eu também, chorei e estou aqui, desolada, cansada dessa luta! Porque sozinha, já me senti derrotada!
Mas não vou desistir, porque acredito que um dia, nem que demore, ela vai se questionar! Ela vai olhar além da beleza, da competição e ver pessoas, mundo, natureza, amor...
Um dia...

domingo, 16 de setembro de 2012

Primeira Feira do Empreendedorismo Materno de Curitiba

Vou contar, ou recontar minha história pós Alice.
Quando me descobri grávida da minha Alice, decidi que era mais do que hora de me dedicar às minhas meninas integralmente. Daniela sempre mostrou que era importante para ela que eu estivesse perto, mas $problemas$ me impediam de largar tudo e maternar minha filhota mais velha. Me enchi de coragem e joguei tudo (quase nada) para o alto, decidi cuidar da minha família!
Ao final da gestação, surgiu a oportunidade de compra da Carinho de Pano. Negociamos muito, e, quando a Alice tinha quatro meses, fechamos o negócio. Eu e uma amiga que eu adoro, que ainda não é mãe mas acredita no potencial do sling, compramos a empresa! De cara, muito trabalho, horas sem dormir e, entre uma mamada e outra, entre um lanche, um almmoço, um cafuné e um cheiro, muito trabalho!
Finalmente eu me realizava! Estava plenamente feliz, afinal estava trabalhando e maternando minhas filhas, cuidando da casa e do marido, tudo em tempo integral! Claro, inexperiente, foram muitas dificuldades. Hoje estamos colhendo muitos frutos lindos na empresa! Parceirias, clientes que gostaram tanto dos produtos que se tornaram assíduos, clientes que gostaram tanto das ideologias da empresa que se tornaram grandes amigos e pessoas que se despiram de muitos preconceitos e apoiaram nossas causas! Lindo de ver e viver!

Mas, esse post, além de situar acerca do início da Carinho de Pano em minhas mãos, veio com um lindo convite!
Acontecerá em Curitiba no dia 22 de setembro de 2012 a PRIMEIRA FEIRA DO EMPREENDEDORISMO MATERNO DE CURITIBA. Um evento lindo, no qual mulheres que optaram por maternar e desenvolver diferentes estilos de atividades remuneradas estarão reunidas em um espaço aconchegante, contando suas histórias, divulgando seus produtos e serviços.
Convido todos a prestigiar esse evento que, acredito, ser o primeiro de muitos!

Beijos


terça-feira, 11 de setembro de 2012

E hoje foi dia de copinhos de tomate recheados

E, como já contei em outro post, terça é dia de aula particular de matemática com a Vovó aqui em casa. E, faz algumas aulas que a Dani tem curtido de monte! Agora ela tem se familiarizado com os números (pavor da mamãe) e isso tem ajudado muito!
Há uns quinze dias, a vovó me perguntou o que fazíamos em casa para apresentar a ela os números e, choquei quando minha resposta foi NADA! Pois é, temos números em tudo, mas para nós, adultos, tudo se tornou tão banal que não damos a esses carinhas a real importância que eles tem! Então, resolvi que incorporaria em casa alguns métodos de colocar os números na vida das meninas diariamente. Não tem sido fácil, é trabalhoso, mas como já defendi milhões de vezes aqui, não quero só ter filhos, quero ser mãe, maternar e garantir o melhor para as meninas. E, essa dedicação tem se mostrado o melhor caminho!
E, eis que para hoje, eu tinha programado que faríamos a receita dos Copinhos de Tomates Recheados com Ovos, afinal de contas, para que serve o Facebook, senão para nos mostrar coisas supimpas! Amei a receita e decidi que era bem simples pra Daniela mandar ver!
Avental vestido, lá vamos nós separar e contar os ingredientes! Vou contar em detalhes, pois acho que para quem procura métodos de trabalhar matemática em casa, é uma mão na roda!

- Comprei duas bandejinhas com quatro tomates orgânicos cada. Na receita que fizémos em casa, coloquei que precisaríamos de seis tomates e a Dani calculou quantos de cada bandeja tiraríamos (ela está aprendendo na escola e com a Vó diferentes formas de formar um mesmo número). "Vamos usar todos de uma bandeja e dois da outra mãe, os outros dois que sobram pode guardar!" #morrideorgulho
- Na receita coloquei seis fatias de queijo muzzarela, mas expliquei que como as fatias eram muito grandes teríamos que diminuir, mas que precisávamos de seis ainda assim. Sugeri cortar e ela disse: "Mãe, corta três fatias ao meio, assim fica seis menores!" #morrideorgulho Ela cortou as fatias e deixou separadinhas.
- Expliquei que precisávamos de uma colher de sopa para medir a manteiga temperada e ela correu pegar a colher e medir no nosso "medidor".
- Seis ovos separados, hora de começar!
- A Dani lavou os tomates, eu cortei as tampas, tirei os recheios (sementes), colocamos os ovos dentro, temperamos e levamos ao forno. Enquanto os ovos assavam, a Daniela copiou a receita para seu "Primeiro Caderno de Receitas". Decidimos que amanhã faremos uma macarronada com os recheios dos tomates (desperdício mínimo!).
- Tirei os tomates do forno e ela colocou as fatias de queijo sobre cada um, e depois o queijo ralado (uma colher de SOPA). Voltamos os tomates ao forno! "Nossa mãe, o cheiro está delicioso e minha barriga roncou!"
- Bem, como o papai se atrasou, tivémos que enrolar um pouco! Logo que o queijo dourou, desliguei o forno, já tinha preparado torradinhas para acompanhar e fizémos um suco natural de laranja para estreiar nossa nova jarra de vidro (ninguém merece jarra de plástico!).



 Eis que nosso almoço ficou leve, nutritivo e delicioso! Feito pelas mãozinhas mais delicadas desse mundo!
















Beijos!!!!!!

domingo, 2 de setembro de 2012

Aprendendo a ensinar!

Faz uma semana que meus dias tem sido mais que especiais! Na sexta passaada participei de um encontro de mães empreendedoras, mediado pela Lênia Luz do blog Empreendedorismo Rosa. Ouvi muitas histórias de mulheres seguindo profissionalmente adaptações para conciliar maternidade X trabalho. Foi maravilhoso! Mas, o mais legal foi uma dica da Lênia: se informar sobre o programa Fly que auxilia na organização da casa em todos seus aspectos (financeiro, alimentar, de limpeza...).
Na mesma noite pesquisei e encontri o grupo do Yahoo no Brasil. Desde então tenho seguido o grupo e aplicado as técnicas na minha casa! O resultado é inacreditável! Organização, limpeza, astral! Tudo!
E, desntro dessa organização, tem sobrado tempo para fazer coisas com as minhas meninas.
Hoje cedo fomos ao Bosque do Papa e depois voltamos para preparar o almoço. O prato seria panqueca e, como a Daniela tem tido dificuldade em matemática (história para outro post), a vó (que está trabalhando com ela duas vezes na semana) sugeriu que ela preparasse receitas para ver como os números estão em todos os lugares.
Foi uma delícia! Comparamos os tamanhos das colheres, as desenhamos para que ela pudesse ver qual colher usar nas receitas, contamos quantas colheres de faronha cabiam dentro de um copo americano, medimos quantos mLs tem um copo americano e contamos quantas panquecas conseguimos fazer com a nossa receita. O resultado foi de muitas panquecas deliciosas e um caderno de receitas que escrevenos na primeira folha "Meu Primeira Caderno de receitas". Ela amou! Fazia tempo que não via a Dani se dedicar a algo como
hoje, concentrada, caprixosa! Adorei! Agora vou pensar na próxima receita para o cadernonho dela e decorar para que, como ela mesma disse "possa usar para cozinhar para os filhos dela!" ...
#morrideamor