quarta-feira, 27 de abril de 2016

Meditação Ativa

Há cinco anos, durante a gestação da Alice, participava da Associação de Estudos filosóficos do Paraná. Na primeira aula, tivémos uma prática chamada Meditação Ativa. Nela, fizemos um arranjo de flores. Foi 1h que pareciam 4h.
Mas lembro de ter saído de lá tão relaxada. Depois disso, pouco me dediquei ao cultivo de qualquer planta. Minha meditação ativa se resumia a lavar a louça!
Faz dois meses que retomei meu Home Office e, quando voltei, estava determinada a fazer o que mais gostava para deixar minha casa o mais aconchegante possível. Alguns passos eram:
- Cozinhar comidas gostosas e saudáveis para minha família (passamos muito tempo comendo o que dava, e eu mal comia)
- Arrumar nosso cantinho (organizei meu home office, deixei os quartos das crianças mais arrumadinhos e coloridos com quadros e almofadas). Tenho uma sogra que manda bem na decoração, providenciou colchas e travesseiros extra para todos, o que deu um super charme nos quartos!
- Manter a ordem das coisas (não queria voltar a me matar de cuidar da casa, mas mante-la arrumadinha para ter prazer em ficar aqui e curtir o espaço)
- Cuidar das minhas plantinhas (as meninas ganharam muitas plantinhas na colônia de férias que participaram no verão. Duas delas morreram por falta de cuidado!).

E, há dias estava determinada a colocar em prática o último item!
Hoje fomos a uma floricultura, compramos terra, areia, pedrinhas e mais algumas mudinhas. Passei a manhã transplantando mudinhas, arrumando suculentas e adubando violetas!
E novamente, me senti muito bem! Você se dedicar a algo natural, belo... O cheirinho de terra úmida... As plantinhas, cada uma com sua peculiaridade!
Minha casa está linda! Plantinhas na sacada, na bancada da cozinha, no balcão da sala, no rack! 
Quando entrei pela porta a tarde, senti uma alegria indescritível!
Eu que fiz! E me dei conta, que essa alegria foi a que carreguei durante todo o dia!



De verdade, há um tempo tenho sentido que encontrei meu equilíbrio! MEU! consigo me manter conectada comigo! Trabalhar e produzir! Crescer nos diferentes papéis!
Tire 10 minutinhos do seu dia para se conectar, olhar para dentro, respirar...

Breath and belive!

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Ressignificando...

Hoje foi um dia daqueles... PERFEITO!
Não, ele não começou lá muito bem! Muitos problemas para resolver logo cedo, stress.
Dia de faxina para garantir um descanso no final de semana. De verdade, qual mãe de três crianças faz faxina pesada com um sorriso lindo no rosto? Só nas propagandas de produtos e limpeza. Porque, né! Impossível!
Enfim...
No auge do meu mau humor, tinha acabado de limpar os banheiros, chão ainda úmido. Filha do meio entra gritando em casa "Vou fazer Cocô!!!". A mãe, exausta já, dá aquela virada de olhos e pensa "Ok, vai lá que eu passo o pano denovo!".
E a filha do meio, que já se limpa sozinha grita "Mãe, vem cá!".
Novamente, a mãe exausta vira os olhos e diz "Que foi?".
"EU AMO QUANDO VOCÊ LIMPA A CASA E FICA ESSE CHEIRINHO GOSTOSO!"

Fuém, fuém, fuém!

Dei um sorriso com os olhos cheios de lágrimas e agradeci, de coração! Corri para a cozinha preparar o lanchinho mais especial para elas!

Sabem, é tão bom ter crianças em casa, para nos mostrar que tudo, TUDO nessa vida tem seu lado bom ,lindo e especial!!!!
É lógico que, a partir de agora, sempre lembrarei que a casinha limpa, será uma lembrança que a filha do meio carregará para toda a vida.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Me perdoem, minhas filhas!

Hoje se inicia o ano letivo da Alice e a Dani.
E eu, aqui, de coração partido. Arrependida da vida. Pensando em tudo que deveria ter feito diferente.

A crise, aliada a um mau investimento... Alguns ajustes precisaram ser feitos e... Escola pública aqui vamos nós!
E a dor, é ver minhas filhas pagando por um erro meu. E novamente penso no que teria feito diferente!

Uma salinha, 30 crianças.
Alice é a menorzinha. Tão míuda andando em meio a uma multidão. Olhinhos arregalados, "Mãe, estou com medo!". "Não mãe, pode deixar que ela vai com os amiguinhos."...
Daniela, assustada. Pupilas dilatadas, dedinho na boca em sinal de apreensão! "Vai filha e tenha um ótimo ano de escola. Se precisar pede para ligar para a mamãe!". E lá se vai a multidão do 4° Ano.

Nunca desejei que minhas filhas fossem somente mais uma na multidão. Estou sem chão! Me sentindo um fracasso.
Não dormi a noite toda, pensando em como poderia reverter essa situação.

Reunião na quadra. "Pais, se puderem contribuir com a Associação de Pais, pois o Governo Federal não repassou a verba no ano anterior e, a princípio, não repassará esse ano novamente."... Fiquei pensando se junto com o casaquinho, mando um rolo de papel higiênico para garantir que elas poderão se limpar após irem ao banheiro.

Nunca desejei que minhas filhas fossem sobreviventes do sistema. E estou sem chão! Me sentindo pequena!

E penso no meu pai, desejoso de que eu buscasse a estabilidade do serviço público. E penso que talvez ele tivesse razão... E queria que ele estivesse aqui para confortar meu coração, despedaçado por tirar minhas meninas da segurança, da qualidade, das amizades, do carinho das escolas que elas tanto amam!

De verdade, hoje só consigo sentir raiva. Raiva da vida. Raiva de ter jogado fora nosso dinheiro e ter que sacrificar minha família dessa forma.
E desejo do fundo do coração, que essa raiva passe e eu consiga erguer a cabeça e sorrir na hora de buscá-las do lado de fora do portão da escola!