quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Mãe vaca com muito orgulho!


Ai, ai! Isso cansa a beleza de qualquer super mãe consciente!
O quê?
Mais uma vez a mídia passa a mão na cabeça de mães que se acomodam com diagnósticos bizarros de médicos preguiçosos que não tem paciência para ajudar uma mãe a amamentar seu filho ou de mães acomodadas que tiram o direito do filho receber o melhor alimento em prol do seu descanso. #FAIL

Já postei AQUI, AQUI e em vários outros posts minha opinião sobre amamentação. Mas acho que não custa ressaltar o quanto defendo esse ato de amor de mãe para filho.
a natureza nos deu entre 38 e 42 semanas para gestar um bebê. Esse tempo não é somente para comprar roupinhas. Esse tempo é para a preparação da futura mãe, para que ela esteja pronta para assumir TODAS as responsabilidades que a maternidade traz com a chegada de um bebê. E, acredito que a principal é a amamentação.
Passei por quatro obstetras antes de optar ganhar a Alice no plantão do hospital. NENHUM deles conversou comigo sobre a amamentação. e quando eu perguntava a resposta era unânime "Cedo para falar disso!".
Senti tanta raiva ao ler esse lixo, achei de uma irresponsabilidade, de um mal gosto e de uma inutilidade tão grande. Uma pena que temos que comentar para não deixar que pessoas desinformadas acreditem nos absurdos escritos nele.
Como assim, "respeitar a mulher que não quer amamentar"? Se mata! Coloca filho no mundo para negar o melhor alimento e quer ser respeitada!
"O que está acontecendo? O mundo está ao contrário e ninguém reparou?"
Não consigo aceitar isso! Acho que deveria existir uma lei que obrigasse a mulher a amamentar, salvo em situações em que a amamentação não é possível.
Hoje, ecebi uma notícia maravilhosa. Uma amiga querida, a quem quero muito bem e que estava tendo muitos problemas com a amamentação conseguiu relactar o bebê com sucesso! Isso é exemplo de mulher consciente, responsável! Eu sei o quanto é difícil amamentar, já passei por duas mastites, uma com febres de quase 40°C e segui amamentando, não por querer ser um mártir. Mas porque é o melhor para minha filhota! E saber que ela está recebendo o melhor de mim cura qualquer dor!
Desculpem a revolta, mas esse artigo nojento me deixou indignada. E assustada em ler comentários de pediatras apoiando esse despautério!

”"

Mãenifesto
Manifestamos pelo direito de amamentar a cria, sem ser pressionada por profissionais da saúde mal formados ou parentes bem intencionados, a substituir por mamadeira, o alimento que só o seu peito pode dar.
Assine!!!
http://www.grupocria.com.br/

Beijos

4 comentários:

  1. Lu, fiquei sabendo deste zum zum, mas não tinha lido ainda!

    Estes dias postei uns questionamentos no meu blog, entre eles o fato de estar amamantando ainda mesmo com minha filha já estando com 21 meses. Me sinto uma E.T qdo dizem indignada: ela ainda mama no peito?!!!
    Qdo estava grávida participei de curso pra gestante e digo que a palestra sobre amamentação foi um incentivo e tanto, alem do exemplo da minha mãe, apoio da obstetra, pediatra, pesquisas, etc. Além da gestante penso que o pai da criança tb deve estar bem informado para dar apoio a mãe, meu marido sempre me deu muita força qdo tive bolhas nos mamilos e minha bebe tinha apenas 1 mes de vida... não podia desistir... hoje em dia amamento com prazer, carinho e tenho total apoio do marido, o resto não importa(opnião contra dos outros) bjs querida!

    ResponderExcluir
  2. Pois é Babi! Eu já estou sentindo uma pressão familiar do tipo "Mês que vem ela já começa a comer papinhas, né?"... Alice só vai fazer 4 meses! Alô!!!!!
    Mas meu marido também me apoia de monte. NUNCA cogitou a possibilidade de complemento e respeita minha decisão de amamentar em livre demanda até quando Alice quiser! Mesmo porque dei ouvidos aos familiares quando tive a Dani e me estrepei! Amamentação foi por água abaixo!
    Dessa vez farei tudo diferente!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. e viva as mães vacas!! Vacas conscientes!! rsrsrsrs...

    ResponderExcluir
  4. Amamentar é com certeza um ato de amor lindo... sem dizer que é a primeira forma de nutrir, alimentar nossos filhotes... mas eu pessoalmente acho que todo radicalismo gera ansiedade e frustração. Sei porque passei por essa ansiedade e pressão de que só o leite materno é bom pro bebê! Mas em parte, tenho que concordar que tudo pode ter um meio termo. Acho que tem sim que amamentar o máximo possível, mas em contra partida, é comprovado que as fórmulas artificiais hoje em dia se assemelham sim aos nutrientes do leite materno, porém não são carregadas de anticorpos como o peito da mãe, uma vacina natural! Mas julgar as mães e os seus motivos para não amamentar após os seis meses, ou mesmo as que optam por não amamentar, já acho complicado. Toda mãe vai errar, pecar, por excessos, ou pela falta de algo. Educar, criar um filho não tem manual de instruções, então já que em algum momento, todas nós " vamos pisar na bola" é injusto qualquer crítica. Cada história é uma história. Tem mãe que talvez não amamente por vaidade, preguiça, ou sei lá o que, mas não podemos julgar que ame menos o filho do que nós. E tem mãe que não amamente por outros motivos... dizer que somente quem é "mãe vaca" é consciente, acho eu, muito radical. Gente, todas nós cometemos algum erro. Não podemos julgar qual é pior que o outro. Mas erramos tentando acertar. Ser mãe é um conjunto de fatores complexos e simples ao mesmo tempo. Ser mãe é amar, e o amor se manifesta de diversas maneiras, inclusive, claro, amamentando. Mas não só amamentando. O leite materno é um alimento completo, e o melhor, sem custo. Mas não é a única forma de uma mãe demonstrar consciência e amor. Isso não podemos julgar. Amamentei no peito por quase 5 meses, mas desde o primeiro mês foi necessário complementação. Meu bebê nasceu grande, e era muito faminto e tb preguiçoso... enfim, optei por seguir a recomendação médica de complementar as mamadas, já que eu sofria ao ver meu bebê chorar depois de mamar pq queria mais! Sou uma mãe consciente, feliz, e não mais vaca. Mas sou feliz, e tenho um bebê lindo, saudável, que nunca adoeceu, alegre, carinhoso, calmo, tranquilo, que dorme bem, come bem e super ativo. Alguém pode dizer que sou menos mãe que as que amamentam até os dois anos? Ou que meu filho é menos saudável e feliz que um bebê alimentado exclusivamente no peito?
    Somos todas mães...
    Não julgo.

    ResponderExcluir