terça-feira, 10 de agosto de 2010

Porque eu amamento...

E, mais uma vez, venho contar que a experiência e a maturidade estão me favorecendo!
Há quatro anos, quando tive a Dani, não me ligava na importância da amamentação. Tanto que aos cinco meses a Dani já saboreava suas frutinhas. ABSURDO! Eu também acho! Mas o pior é que EU fui atrás de um pediatra que me dissesse que poderia fazê-lo. E fiz isso pela pressão que a família estava fazendo em cima de mim e do Dani. Eu tinha voltado ao trabalho e ele ficava com ela em casa. Ela não aceitava meu leite na mamadeira com ele e, em um desses dias em que a Dani chorou sem parar, ela caiu e ficou três dias na UTI com TC. A família toda surtou e insistiu que era hora de dar papinhas. E fui atrás. Lembro bem do Dani me questionar se era hora mesmo, e eu praticamente o ignorei! BURRA!
Em menos de um mês a Dani desmamou e NUNCA comeu bem! Ela, na verdade, parece que não gosta de comer, - só bugingangas - come por obrigação!
Em minha trajetória para me tornar a mãe perfeita - porque respeitar o tempo dos pequenos nos faz mães perfeitas - eu percebi o quanto errei no quesito amamentação com a Dani. Segui à risca o "20 minutos em cada peito", não tinha paciência de esperar que ela largasse o peito quando estivesse satisfeita, não respeitava a irritação dela quando eu ou qualquer pessoa por perto falasse durante sua refeição. Mamar, só de três em três horas, nada de livre demanda para não deixar mal acostumada. MUITOS ERROS!
Hoje, com Alice, tudo parece tão natural. Em nenhuma mamada dela eu a tirei do peito antes da hora, sempre esperei que sua boquinha se abrisse e empurrasse o bico do meu peito para fora. É tão gostoso ter a minha caçulinha pendurada em mim, com sua mãozinha gelada em meu seio, dando sorrisos enormes com a boca cheia! Às vezes ela mama de duas em duas horas, às vezes depois de seis horas, às vezes mama, faz cocô e quer mamar de novo... Mamar é quando ela quer! E o quanto ela quer!
Hoje, com doze dias, minha caçulinha já acumula dobrinhas nas coxas, já tem o rostinho mais redondinho e meus braços tem sentido que a amamentação em livre demanda é a melhor coisa para ela!
Não serei hipócrita: tem doído muito! O bico dos meus seios estão pedindo uma trégua (coitados, porque é um pedido que não será atendido!), Alice é uma esganiçadinha, então ela já vem mamar sugando, não abre a boca, vem de linguinha pronta para mamar! E isso tem me machucado demais. Nas últimas mamadas o Dani segura a cabecinha dela para ela pegar o peito, porque o desespero dela é tanto que ela procura desesperadamente o peito e não acerta a pega. Aos poucos a dor tem diminuído e, conseguimos até mamar deitadas para favorecer nossa cama compartilhada (outro post).
Mas, acredito que a dor seja pela má pega dela! E sei que ela vai aprender a mamar, só é preciso paciência e persistência. Mesmo porque amamentar não é uma opção. Toda mãe TEM que amamentar seu bebê, mesmo porque ela optou por ser mãe. Amamentar é dever! Fico passada quando escuto histórias do tipo "não tive leite.", "meu leite era fraco e tive que dar complemento", "o bebê não quis pegar"... Com a Dani, amamentar foi dolorido nos dois primeiros dias. Depois foi delicioso. Com a Alice, há doze dias tenho sentido dores, mas nada insuportável e nada que não estejamos conseguindo contornar!
A questão é que, hoje temos tantas formas de nos informar e saber o porque a amamentação não está sendo como deveria, que não faz sentido procurar desculpas para interromper a única forma natural de alimentação do bebê!
Na maternidade, como a Dani e agora Alice precisaram passar pela fototerapia, os pediatras insistiram na complementação da amamentação. Na maternidade onde ganhei a Dani, ela recebia complementação de leite materno por haver no hospital banco de leite. E, toda vez que o complemento era oferecido, ela cuspia! E eu falando que ela estava mamando super bem! Onde ganhei a Alice, não tinha banco de leite, e ofereceram duas vezes NAN para ela. Resultado: ela regurgitou tudo! Então, fui enfática: Não quero que dêem mais complemento para ela, não precisa! A prova era que ela estava ganhando em média 30g por dia, e saímos da maternidade com o peso que ela nasceu! A justificativa para complementar? Ela desidrata na fototerapia... Opa, então vamos mamar mais! Resolvido o problema da desidratação e bebe satisfeito com seu leitinho!
Passamos pela Semana Mundial da Amamentação e, como mãe de duas crias que passou por muitas mudanças de uma cria para outra, me senti na obrigação de contribuir para disseminar essa idéia! Amamentar é um ato de amor e um dever de toda mulher/mãe!

E, coincidência ou não, enquanto eu escrevia, começou no Paraná educativa On Line um programa sobre amamentação maravilhoso, com pediatra, nutricionista e coordenadoras de banco de leite super Pró-amamentação! Maravilhoso! Vou ver se encontro o programa na íntegra e disponibilizo o link aqui no blog! Gostei porque me esclareceu muito, já que Alice está com muita dificuldade para pegar direito o peito!
É isso aí! Amamentar é tudo de bom!
Beijos

3 comentários:

  1. Concordo!!!! O leite materno tem tudo o que o bebê precisa!!!! Podemos sair tranquilas com o bebê pois já carregamos o necessário para suprir sua sede, fome... tudo! Torço prá ter muito leite, pois acredito na amamentação de livre demanda!!! Não quero ter que complementar a alimentação do bebê!!!
    Bjosss Lu!!!!

    ResponderExcluir
  2. Lu, tem banco de leite por aí? Se você for lá com a Alice, arruma rapidinho uma enfermeira que te mostre como fazer com que a Alice faça a pega correta, aí vão passar as dores. Eu acho 12 dias muito tempo, em geral os bicos racham nos primeiros dias, depois melhoram. Pro teu bem e pro bem dela, é legal que faça a pega correta. Vocês duas vão se beneficiar.

    Ela tem que abrir a boquinha e abocanhar o bico do seio inteiro, incluindo a auréola (eu acho que você sabe disso, mas não me custa dizer). Se ela pegar errado, você solta a boquinha dela com delicadeza, usando o teu mindinho pra desfazer o "vácuo", pega o peito e tenta posicionar o bico inteiro na boca dela, até acertar. É só ter um tiquinho de paciência, porque vai ser bom pra ela também fazer a pega direito. :-)

    Lindo post! Beijinhos em vocês.

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Também acho que a amamentação é tudo de bom, afinal, uma mãe amamentando seu filho, é o símbolo maior da maternidade, porém, nem sempre é possível, eu, por exemplo passava o dia amamentando meu filhote: uma hora em cada peito com intervalo de uma hora entre as mamadas, ou seja, não fazia outra coisa, e ele não ganhava peso e chorava muito de fome.
    Não por escolha mas por extrema necessidade, tive que complementar com mamadeira o que o levou a largar o peito aos dois meses e meio, infelizmente, pois sempre sonhei em amamentar. Mas hoje, aos seis anos, ele não teve ou tem qualquer problema por isso...come muitíssimo bem, detesta comer bobagens, adora brocolis, beterraba, cenoura, não liga para refrigerantes mas não dispensa água de côco. Em seis anos de vida, só teve febre por 3 vezes.
    E tudo isso tirou de mim a culpa que eu sentia por não ter conseguido amamentar.
    Acho lindo mas não encano mais com isso.
    E no meu blog conto essas e outras histórias sobre a minha gestação e desenvolvimento do meu Gabriel.
    Se quiser fazer uma visitinha, ficarei muito feliz.
    http://gabrielpimentinha.blogspot.com

    bjs

    ResponderExcluir