segunda-feira, 21 de maio de 2012

Momentos de reflexão...

Bem, a necessidade de escrever, desabafar, os inúmeros acontecimentos dos últimos tempos, muitas dúvidas e questionamentos... Estou de volta! Esse ano tem sido de sucesso! Muitas coisas boas acontecendo, estabilidade $ é tudo de bom, amor, filhos... Pois é, muitos filhos. Está à caminho mais um descendente do Clã Ivanike Isolani! Estou grávida de 9 semanas. Uma gravidêz nada planejada que gerou uma série de sentimentos contraditórios. Mas o tempo... Sempre ele! Tem dado conta de baixar a poeira e deixar à vista as belezas de se ter três filhos. E agora, tudo começa novamente, mas diferente do que foi a gestação da Dani e da Alice. Uma Lu mais madura, forte, decidida, empoderada será a genitora desse novo bebê. E, junto com a descoberta da gravidez, veio um diagnóstico de descolamento da placenta, que me rendeu muitos dias de repouso absoluto. Simmmmmmm, estou me vendo louca! Pensa em uma pessoa que não pára o dia todo, trabalha, puxa a filharada para cima e para baixo, faz mercado, anda muito, de repente deitada o dia todo. Complicado né! Mas nada impossível! Minha sogra, minha cunhada e minha tia têm me dado todo o apoio e suporte de que eu preciso para aguentar firme esse momento! Marido está se vendo louco, fazendo a parte dele e a minha (que é muito maior que a dele)! Mas... Entre mortos e feridos se salvarão todos! Mas meu desabafo é pelo direito de sentir. Como é difícil se deixar sentir. E como é difícil as pessoas aceitarem que você sente. Esses dias li um post da Alessandra Pilar sobre as dificuldades de parecer a gestante do comercial de margarina que TODAS aparentam ser. Tá... Tenho duas filhas e planos, muitos planos para o próximo ano. De repente estou grávida no acidente, tendo que adiar por mais MUITO tempo meus planos, cuidando de três filhos, administrando mais uma vida. Sim, tem tudo de lindo que um filho trás, amor, carinho, cheiro, amamentação... Mas até chegar lá existe o luto das perdas. E por que cargas d'água não podemos viver esse luto? Nossa, só não fui apedrejada em praça pública por ser gestante, mas fui muito julgada por não estar transpirando felicidade como as mães da Meu Bebê. Claro que sei que dou conta, claro que sei que tudo se ajeita, mas eu posso sofrer pelo que mudou? E, pela primeira vez, me permiti sentir! Chorei muito, sofri muito, fui enchovalhada de críticas (afinal, nessa sociedade machista e misógina, a culpa por uma gravidez não desejada é da mulher) e, ainda lido com a revolta de alguma(s) pessoa(s). Ok! O fato é que esse comrtamento além de me fazer muito mal e me deixar triste, não vai mudar o fato de que estou grávida! Hoje, meu maior sofrimento é esse repouso absoluto mais que necessário, que me faz ficar longe das minhas atividades e limitas as minhas relações dentro de casa. Mas isso é preciso e indiscutível! Ah, agora notícias do "Wolverine" (carinhosamente chamado assim por ser um espermatozóide mutante que ultrapassou a barreira do lastex)! Ele tem um coraçãozinho que parece tambor de escola de samba e a DPP é 26 de dezembro! Que tipo de mãe tem flho no pós natal, a pobre criança vai traumatizar porque todos vão presentear no Natal e pronto! #alouca Bem, em breve volto com mais novidades! Beijos

5 comentários:

  1. Oi Lu parabéns de novo! Eu passei por isso na gestação da Lola. Não foi desejada, mas hoje eu a chamo de meu maravilhoso brinde ;-)
    As pessoas tem uma idéia muito romantica de gestação e filhos, mas na real é tudo muito intenso e até selvagem.
    Vamos marcar um café e conversar sobre essa vida de mulher, profissional e mãe de três.
    Curte o repouso que logo, logo tudo melhora.
    Bjks!

    ResponderExcluir
  2. Oi Lu,apesar das circunstâncias eu sou daqueles que acreditam que nad acontece por acaso, e com certeza vc tem todo direito de sentir... Até eu com gravidez planejada entrei em parafuso, não por não desejar o filho, mas por ter acoontecido muito rápido(foi na primeira tentativa). Mas como vc disse tudo se ajeita e você dá conta das meninas porque não mais um?
    bjs Bárbara Pata
    babidorafa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. LIndo.Lu. Adoro a sinceridade. Eleonora nasceu no dia 30 de dezembro...E vai bem, muito bem. Vai ser feliz de qualquer jeito. E o teu bebê 3 Wolverine também. No fundo, a gente sabe que tinha que ser assim, né? Mesmo com todas as perdas, tantas. É o nosso caminho (Karma?). Apoio total e muito repouso e muita força. Te amamos!

    ResponderExcluir
  4. Oi.. eu tb sou a bebê 3.. e sou do dia 29 de dezembro..
    Por experiência própria te digo. SIM.. ganha um presente só e quase todas as festas de aniversário da infância tem a maldita decoração do papai noel.. mas tudo bem.. quando adulto a gente supera.. e minha mãe resolveu esse "probleminha" da data mudando a data do meu aniversário.. inúmeras vezes eu fiz a festinha 1 mes antes... _fica a dica!..
    Beijos e sinta o que tiver que sentir!!!!... pq atrazar esse luto aí não vai ajudar!..
    Tata e Miguel

    ResponderExcluir
  5. Eita Lu!!! Que novidade!!!
    Essa sociedade é mesmo muito injusta com a gente sabia?? Dia desses quase fui apedrejada por falar que talvez eu quisesse ter mais um filho...Sim, por que não três? Ou então, por que não querer apenas dois e sofrer quando acontece um "acidente" como aconteceu com vc? Realmente não dá pra entender... Mas viva com a vontade que esteja no momento... acho que nós temos o direito de chorar quando der vontade, de perder a paciencia com o filho birrento, de ser a mãe mais coruja ao falar de nossos filhos para as amigas (até elas pedirem pra mudar de assunto rsrs)...
    E que seu bebe seja abençoado, e que você seja abençoada...
    Bjos

    ResponderExcluir