quinta-feira, 14 de junho de 2012

Os brindes que ganhei hoje...

Hoje vi a obstetra que solicitou meus exames pré-natal pela primeira vez! Foi um encontro inesquecível!
Ela gostou tanto de mim que me deu alguns brindes!
De cara, ao saber que essa é minha terceira gestação e que minhas duas filhas entraram nesse mundo por cesárea, ganhei uma vale laqueadura! Afinal, segundo ela, eu não posso nem pensar em ter mais filhos, com meu útero retalhado assim.
A lista de brindes não pára por aí! Ela foi tão generosa, que me ofereceu a possibilidade de marcar a cesárea já (com 12 semanas de gestação) para o dia 19 de dezembro (a DPP é 26) para que eu pudesse passar o Natal com as minhas filhas! Owmmmmm, um doce!
E, ainda na lista de brindes, ganhei uma plástica na minha cicatriz, afinal ela é horrível!
Lógico, que para ganhar tudo isso a mãezinha tem ue fazer a "lição de casa": - passar protetor todos os dias sem falta; - usar creme (o que ela me deu uma amostra grátis de preferência) todos os dias para não ter nemhuma estria; - tomar as vitaminas todos os dias.

Agora, cá estou eu, desolada! Ingrata não??? Tantos mimos e eu infeliz por querer muito um parto natural!
Sou uma pessoa horrível, pois queria muito que esse bebê tão desejoso da vida, entrasse nesse mundo capitalista e cruel de forma amorosa, no tempo dele, pela melhor via de nascimento.
Meu sonho???
Que esse bebê nasça em casa, no aconchego da nossa casa! Cercado do amor da família dele, amparado pelo pai! Que receba todo o sangue que a ele é destinado pelo corte do cordão somente uando parar de pulsar e, que depois do trabalho de parto ele mame e descanse, aconchegado comigo na nossa cama!
Que sonho cruel! Pelo que ouvi hoje, 0,5% de chance de alguma complicação parece algum muito mais relevante do que 3% de chance de morrer com uma hemorragia uterina.

O mundo está ao contrário e ninguém reparou????

Neste sabado e domingo acontecerá em várias cidades do Brasil a Marcha pelo Parto em Casa grupo<\a>

verifique se acontecerá na sua cidade e participe! Nossos bebês merecem nascer com amor!

sábado, 9 de junho de 2012

A mãe que tenho me tornado...

Alguns assuntos a respeito da maternidade são um tanto polêmicos. A forma como eu materno minhas crias é muito diferente da forma que muitas outras mulheres cuidam das suas.
Quando a Dani nasceu, há seis anos, eu seguia um fluxo de massa. Muitas vezes senti ou pensei diferente, mas todo mundo fazia assim, porque eu faria diferente?
Quando ela tinha seus dois anos eu compreendi coisa. Entendi vazios e escolhas. Há quatro anos me tornei uma mãe maternal, que olha, sente, tenta ouvir e se ouvir. Que questiona e nada contra a corrente. Não é fácil, gasta muita energia, demanda tempo e paciência com as mãezinhas que se sentem julgadas quando faço alguma afirmação baseada em evidências, principalmente no quesito amamentação e parto (tive duas cesáreas!?). Mas, hoje, entendo que a revolta das mãezinhas é pela falta de esclarecimento das decisões que elas não puderam/quiseram tomar. Já fui assim!
Desenvolver o maternar foi maravilhoso, mas não é fácil! Porque lidamos com respostas que saem do comum! Quando preciso chamar a atenção das meninas, tenho que estar completamente presente e consciente de que tudo o que for dito ficará marcado de uma forma boa ou ruim, depende da abordagem.
Ainda tenho muitas falhas! Preciso brincar mais com as meninas, me entregar, ouvi-las de coração aberto, sem pré-conceitos ou julgamentos, apenas crianças! Preciso ter mais paciência, e criar mais com elas!
Espero um dia olhar para as meninas e sentir que elas são pessoas mais humanas, sensíveis e que não são mais excessões na multidão!