domingo, 15 de abril de 2012

Porque o dragão era apenas um cavalo alado...


Alguns caminhos não tem volta. Isso é um fato!
Quando decidimos que queremos nos transformar então, já era!
Nestes últimos dias, algumas coisas tem chegado à mim como se fossem uma premonição, eu sabia que chegariam e viriam para abalar.
Desde que recomecei meus trabalhos internos, muita coisa mudou. Minha vida se transformou em um eternó (isso não é ruim, de forma alguma) e, a partir dessas observações sobre mim, comecei a repensar minha forma de viver e ver... Queria muito que minha vida se resolvesse com um estalar de dedos, mas...
Hoje, aconteceu algo que eu temia, há dois anos, que fosse acontecer. TIVE (e ainda bem que tive) que resolver um "problema" que vinha se arrastando em minha vida e que, mais dia menos dia, se tornaria uma úlcera na melhor das hipóteses. Sempre tremi, ajoelhei, implorei que o dia que esse problema teria que ser enfrentado jamais chegasse. Mas eu sabia que chegaria, e sempre esperei estar preparada para lidar com ele.
Acredito que não poderia ser em hora melhor. Meu medo, era abrir meu coração e sentir que esse medo seria usado contra mim, porque eu criei mentalmente uma impressão de uma pessoa e a tomei pelas suas atitudes que me afetavam. Mas, sabe quando no fundinho, você pensa que deve estar errada, que aquilo foi pontual e ninguém pode ser assim (pelo menos eu quero acreditar que não) tão frio, calculista, insensível e tudo de ruim... Pois é.
Depois de duas horas de muita conversa, praticamente uma terapia de casal (não somos um casal, mas foi mais ou menos assim), consegui compreender muitos dos sentimentos dessa pessoa e mostrar a ela os meus. Assim, saímos ambas esclarecidas e desejosas de felicidade.
Foi sofrido demais, tocar uma ferida que jamais cicatrizará, lembrar de dorer f'ísicas e psiquicas, pensar o quanto as pessoas foram cruéis em momentos em que eu só queria/precisava de um colo... Doeu. Mas foi um aprendizado, e este, levarei comigo para o resto da vida!
E o que o Dragão tem a ver com isso?
Ontem a tarde, encontrei uma parábola yogi para crianças. Basicamente ela contava a história de um principezinho que cresceu ouvindo histórias sobre um Dragão que vivia em uma caverna nas montanhas. Cada um que tentava combater o Dragão fugia antes de enfrentá-lo ao ver sua sombra. Um voltou dizendo que o Dragão cuspia fogo, outro contou que ele tinha sete cabeças, outro contou que, além de cuspir fogo e ter sete cabeças, ainda tinha 14 asas e 14 pernas. Um monstro. No caminho da caverna o principezinho pediu ajuda a uma feiticeira, para saber como ele derrotaria o temido Dragão. Ela disse a ele que levasse uma espada de prata e repetisse a frase que ela sussurrou ao ouvido dele. Sem crer muito que aquilo ajudaria, o principezinho seguiu seu caminho. Quando ele entrou na caverna, viu a sombra do monstro, ficou apavorado, era mesmo assustador. Mas tinha decidido que não sairia dali sem derrotar a fera. E, quanto mais medo ele sentia, pior era a imagem da fera em sua mente. Eis que ele lembrou-se das palavras da feiticeira. Ele empunhou sua espada de prata e as repetiu como um mantra "O que a mente cria, só o coração destrói", "O que a mente cria, só o coração destrói", "O que a mente cria, só o coração destrói", "O que a mente cria, só o coração destrói". À medida que ele repetia a frase, ele sentia uma claridade maior invadindo a caverna e, ao chegar ao encontro da fera, viu que ela nada mais era do que um cavalo alado que, na sombra projetada na caverna ficava enorme. #ficaadica

"O QUE A MENTE CRIA, SÓ O CORAÇÃO DESTRÓI"